Movimentos na web móvel: novos contextos para o desenvolvimento mobile

 

Postado por Alex Blewitt , traduzido por Rodrigo Urubatan

Mudanças importantes aconteceram nas últimas semanas no ecossistema mobile. Primeiro, o Google comprou Motorola Mobility, levando a questionamentos sobre se o Android continuará a ser um sistema aberto. Logo depois, a HP encerrou a producao do TouchPad, e depois, decidiu produzir mais unidades. Para onde apontam estas notícias?

A compra da Motorola pelo Google pareceu, para muitos, estar muito mais relacioanada com um conjunto de patentes do que com a habilidade de fabricação de hardware propriamente dito. A Motorola já foi líder na indústria de telecomunicações e criou uma sequência de produtos inovadores (como o Motorola RAZR); também já comandou acordos importantes, como o que trouxe a habilidade do ROKR de sincronizar com o iTunes. Entretanto, o ritmo de inovação da empresa tem reduzido muito nos últimos anos.

Um dos maiores problemas, que ocorreu em meados de 2000, foi a série de fracassos com o sistema operacional Symbian. Antes um dos destaques em celulares topo-de-linha, o Symbian sofreu mudanças constantes que gerando versões divergentes, e houve diversas pequenas brigas entre Nokia, Sony Ericson e Motorola em volta do sistema. No final, logo depois que o iPhone foi lançado, a Motorola abandonou o Symbian cortando 3 mil postos de trabalho, para se focar mais no Android. Entretanto, a empresa nunca mais reconquistou a fatia de mercado perdida, e passou a considerar a possibilidade de vender sua divisão de celulares. Mas isto foi três anos antes de o Google finalmente comprá-la em agosto.

O fiasco do tablet TouchPad do HP começou quando o dispositivo recebeu uma sequência de avaliações medíocres. Menos de dois meses depois do lançamento, a HP anunciou que não produziria mais o tablet e autorizou um desconto radical, de 499 para 99 dólares. Com o sucesso surpreendente de vendas na nova faixa de preço, a HP decidiu produzir mais um lote do produto e pode voltar a produzí-lo, mas o futuro do tablet continua, em grande parte, incerto.

Ao mesmo tempo, com a compra da Palm pela HP, muitos tinham a esperança de ver o renascimento da empresa que criou os famosos handhelds. Na aquisição, a HP levou a plataforma WebOS, mas juntamente com o anúncio de descontinuação do TouchPad, anunciou que não fabricaria mais telefones e tablets com WebOS. A empresa afirma, no entanto, que vai continuar o desenvolvimento do sistema operacional e encoraja outros fabricantes a utilizá-lo de forma embarcada em dispositivos domésticos, por exemplo.

Assim que uma empresa pequena e inovadora é comprada por uma gigante de tecnologia, argumentam muitos especialistas, ela perde sua agilidade e sua cultura (e em alguns casos os seus principais desenvolvedores). A Microsoft comprou a Danger Sidekick, que já foi a “queridinha” do mundo mobile, mas caiu em desgraça quando perdeu dados de clientes, e hoje está esquecida. A HP comprou a Palm (e a Compaq) e acaba de deixar para trás o mercado de hardware móvel. A Nokia, que já foi uma figura paterna para o Symbian, tornou-se um “padrasto” e agora esta apostando no Windows Phone para os seus dispositivos.

Pode-se argumentar que apenas duas empresas que entraram no mercado móvel na última década tiveram sucesso. Uma delas é o Google, com o sistema operacional Android (a outra é a Apple). O Google não tinha um departamento para produção de hardware, e com isso pôde se manter neutro em relação a seus parceiros por bastante tempo. No entanto, a compra da Motorola pode mudar a imagem sua neutralidade, ou mesmo piorar o relacionamento com os parceiros que utilizam o Android.

E quanto à RIM? O BlackBerry continua vendendo muito bem para empresas, e recentemente a empresa canadense lançou o PlayBook, relativamente bem recebido, mas ainda há um longo caminho pela frente. A compra (e o uso) pela RIM de um sistema operacional móvel forte como o QNX não é garantia de sucesso, como bem sabem os licenciados do Symbian. Além disso, a RIM está à margem do eixo Android/iOS no momento e pode sofrer um “momento HP” no futuro.

Visto tudo isso, uma coisa é certa. Ser um desenvolvedor móvel se tornou muito mais fácil, dada a consolidação do mercado e a consequente redução do número de plataformas importantes a serem suportadas. E agora que todos os dispositivos do mercado suportam HTML5 e o framework WebKit, criar aplicações web móveis se tornou muito mais fácil.

Fonte: http://www.infoq.com/br/news/2011/09/web-movel;jsessionid=7F60F2AE594BD798A4AF5FC0BE2CB2A9

Anúncios

Publicado em 5 de setembro de 2011, em infoQ e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Um comentário começa grandes debates!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: